LOCALIZAR

TRANSLATE

Blaise Pascal

BIOGRAFIA CRISTÃ Nº 66: Blaise Pascal (1623-1662) foi um francês Matemático; Cientista Físico; Teórico; Inventor; Filósofo Moralista; Mestre Racionalista; Escritor; Teólogo Monergista; e Cristão-Jansenista.
"Eu [Jesus] Sou a videira, e vocês são os ramos. Quem está unido Comigo e Eu com ele, esse dá muito fruto porque sem Mim vocês não podem fazer nada." (João 15:5, NTLH, SBB).
"Ora, vocês são o Corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo. Assim, na igreja, Deus estabeleceu primeiramente apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois os que realizam milagres, os que têm dons de curar, os que têm dom de prestar ajuda, os que têm dons de administração e os que falam diversas línguas. São todos apóstolos? São todos profetas? São todos mestres? Têm todos dons de curar? Falam todos em línguas? Todos interpretam? / Entretanto, busquem com dedicação os melhores dons. Passo agora a mostrar-lhes um caminho ainda mais excelente." (1ª Coríntios 12:27-31, NVI, SBI).
"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor." (1ª Coríntios 13:13, VRA, SBB).

Blaise Pascal
Blaise Pascal.
(1623-1662)
Blaise Pascal nasceu na cidade de Clermont-Ferrand, na França. A sua mãe, Sra. Antoniette Bejon, faleceu durante a sua tenra idade, mas o seu pai, Dr. Étienne Pascal não negligenciou a sua educação.

O seu pai vivenciava a realidade dos números, pois além da formação de Matemático, também trabalhava na função pública de Cobrador de Impostos, características que foram ensinadas ao filho Blaise.

 Durante a meninice foi conduzido por seu pai aos estudos das Línguas Clássicas (Grego e Latim). Também foi educado nas disciplinas de Geografia, História e Filosofia, deixando a Matemática para ensino posterior durante a sua maturidade. No entanto, a curiosidade e genialidade do menino o levaram às maravilhas dos Números.

O seu pai valorizava a sobriedade e ajudou a construir o apego de Blaise à razão e ao juízo pautado na retidão. Na adolescência, com apenas 13 anos, já participava das conversas dos sábios acadêmicos de sua cidade, e aos 16 anos publicou o seu primeiro livro sobre a Geometria das Seções Cônicas (elipses, parábolas, hipérboles) resgatando uma temática estagnada durante 19 séculos. Na juventude, aos 19 anos, inventou a primeira máquina de calcular objetivando ajudar o pai na coleta de impostos. Desenvolveu um novo ramo da Matemática, o Estudo das Probabilidades. Estudou o comportamento dos fluídos, descobrindo que a pressão transmitida a todos os pontos de um líquido aumenta progressivamente agindo perpendicularmente às superfícies que o limitam, concluindo acerca da atmosfera que à medida que elevamos, o peso do ar acima de nós diminui, e portanto, a quantidade de ar decresce com a altitude até desaparecer por completo.

Blaise Pascal revolucionou a história da humanidade, proporcionando um futuro tecnológico. As gerações futuras reconheceram a sua contribuição e homenagearam a sua memória nominando uma Linguagem de Programação Estruturada de Pascal, atualmente utilizada mundialmente em computadores.

Contudo, o sucesso somado à jovialidade, influenciados pelo falecimento de seu pai, propiciaram um período mundano em sua vida, ou seja, uma noite escura para a alma. Participou de vários grupos dedicados à libertinagem e buscava com frequência o prazer nos jogos de azar, até que sofreu um acidente de carruagem em Paris quando atravessava uma ponte - a morte quase o alcançou. Nessa circunstância, experienciou um encontro místico, uma espécie de visão, que contribuiu para a superação da "noite escura da alma" no dia 23 de Novembro de 1654. Agora, submeter-se-ia à orientação espiritual da abadia (Comunidade Monástica Cristã) de Port-Royal, dedicando-se com fervor à militância cristã, à contemplação e à oração - características típicas dos movimentos de Vida Interior.

Cornélio Jansênio
Cornélio Otto Jansênio.
(1585-1638)
Através de seus estudos bíblicos, Pascal simpatizou-se e associou-se às ideias do teólogo holandês Cornélio Otto Jansênio acerca da Graça e do Predestinacionismo (Fatalismo).

Jansênio é considerado o pai do Jansenismo que surgiu dentro do Catolicismo, exercendo grande influência na Europa durante os séculos XVII e XVIII.

Dentre as várias causas que motivaram o surgimento das doutrinas Jansenistas, estão o surgimento dos Protestantes. Na busca para a resolução dos conflitos, Jansênio concentrou os seus estudos nos Pais da Igreja, destinando intensidade aos escritos de Agostinho de Hipona (354-430), o que resultou no surgimento de doutrinas assemelhadas com as existentes no Calvinismo, provocando alguma empatia com vários segmentos Protestantes, no entanto, conquistou fortes divergências com os Jesuítas, altamente influenciados pelo Humanismo que não deixava espaço para a Soberania de Deus na História.

René Descartes
René Descartes.
(1596-1650)
Enquanto a Filosofia predominante movia-se na herança de René Descartes, Pascal equilibrou a balança oposicionando-se ao Pensamento Descartiano.

Segundo Blaise Pascal, o método geométrico é válido para as ciências exatas e não para as humanas - Filosofia, Moral, Religião - que trazem ideias complexas, mas carregadas de Verdade. Denunciava Descartes por exagerar no fator intelectivo, violentando o fator afetivo, exaltando sobremaneira a importância da razão e da especulação em detrimento das contribuições do coração.

Os trabalhos de Pascal nas áreas inventivas, especulativas, filosóficas e teológicas, contribuíram para agravar a debilidade em sua saúde. Aos 39 anos, a chama da genialidade apagou nesta Terra. A bela flor que testemunhou Cristo nos jardins filosóficos da humanidade, murchou neste mundo para rebrotar em ressurreição firmada nas promessas bíblicas.


Blaise Pascal
Blaise Pascal.
(1623-1662)
SUAS PALAVRAS:

"A sensibilidade do homem às pequenas coisas e a insensibilidade do mesmo às grandes coisas revelam estranha inversão."

"Orgulho - A curiosidade não passa de vaidade. Na maior parte das vezes, deseja-se aprender apenas para falar sobre o que se aprendeu."

"Há somente duas espécies de homens: os justos que se imaginam pecadores e os pecadores que se imaginam justos."

"Poucos falam da humildade humildemente (...). Somos apenas mentira, duplicidade, contrariedade, ocultando-nos e disfarçando-nos de nós mesmos."

"Jesus Cristo vem dizer aos homens que eles não têm outros inimigos senão eles mesmos, que são suas paixões que os separam de Deus, que Ele vem para destruí-las e para dar-lhes Sua graça a fim de fazer com que todos eles sejam uma Igreja Santa; que vem reconduzir os pagãos e os judeus a esta Igreja, que vem destruir os ídolos de uns e a superstição de outros."

"A conversão verdadeira consiste em aniquilar-se diante desse Ser Universal que tantas vezes temos irritado e que pode destruir-nos legitimamente a qualquer momento; a verdadeira conversão consiste em reconhecer que não podemos nada sem Ele, e que nada merecemos dEle"

"A presente vida é momentânea, mas o estado de morte é eterno (...). Visto por esse prisma, não faz qualquer sentido as pessoas passarem pela vida sem considerar o destino final para o qual irão."

"Jesus Cristo é o objetivo de todas as coisas, o centro para o qual todas as coisas convergem. (...). Não é possível conhecer a Cristo sem conhecer tanto a Deus quanto a nossa miserável condição."


FONTE:

Livro: Pensamentos de Pascal.
Autor: Blaise Pascal.
Editora: Abba Press. (Brasil).
Páginas: 240.

Livro: Mente em Chamas - Fé para o Cético e Indiferente.
Série: Clássicos da Espiritualidade Cristã.
Autor: Blaise Pascal.
Editora: Palavra. (Brasil).
Páginas: 362.

Wikipedia, a enciclopédia livre.